Capítulo 08 - Água mole em pedra dura tanto bate até que fura.



Dos meus felizes e saudosos tempos de criança conservo inúmeras lembranças. A maioria delas é de coisas agradáveis. Rememorá-las após os sessenta e quatro anos de idade é uma bênção. Lembro-me de ficar um bom tempo observando, sozinho, as seguidas gotas d’água que caiam dos beirais sobre a calçada rústica que havia em volta da nossa humilde casa. Apesar dos ventos fazê-las cair muitas vezes em pontos diferentes, um incontável número batia sempre no mesmo lugar e formava buraquinhos redondos e alinhados. Neles eu costumava por minhas poucas bolinhas de gude que guardava escondidas de meu pai.

Mais tarde, no antigo curso ginasial, passei a me interessar por ditos populares. Certo dia li e memorizei o seguinte: Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Essa máxima ajudou-me a entender muitas coisas, inclusive o que acontecia naquela estreita e velha calçada feita de cimento e areia.

Hoje, por exemplo, sei que a mente humana, por mais brilhante e esquiva que seja, pode acabar sendo influenciada. Isso decorre do que lemos, vemos e ouvimos, sobretudo quando há repetições. Até mesmo o que parece não ter tanta força, como a água mole, pode deixar marcas indeléveis em nós.

Assim sendo, devemos proteger incessantemente as crianças, pois elas são mais vulneráveis. Devemos ensiná-las no caminho em que deverão andar até a velhice (Pv 22.6). Para isso, o SENHOR Deus disse aos pais através de Moisés: “Guardem sempre no coração as leis que eu lhes estou dando hoje e não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem. Amarrem essas leis nos braços e na testa, para não as esquecerem; e as escrevam nos batentes das portas das suas casas e nos seus portões” (Dt 6.6-9).

O Eterno, através do mesmo legislador, determinou: “Que o meu ensino seja como a chuva que cai mansamente sobre a terra; que as minhas palavras sejam como o orvalho que se espalha sobre as plantas” (Dt 32.2). É deste modo, ou seja, com mansidão e suavidade, que devemos falar a palavra de Deus a nossos filhos.

Há poder em nossas palavras, principalmente naquelas que vêm de Deus. Essas são as palavras de vida que devemos semear sempre.

Palavras são sementes para o bem ou para o mal. Assim como não vemos como a água mole causa aquelas depressões nas mais duras pedras, também não vemos como acontecem as mudanças na vida das pessoas. Mas elas acontecem, para pior ou para melhor. São mudanças na maneira de ser, de pensar e de agir. Nós somos testemunhas dessas mudanças. O que desejamos é que aconteçam apenas mudanças para melhor, mas o que estamos fazendo para que elas aconteçam?

Sabemos que os homens têm corações de pedras, mas o poder da palavra de Deus pode transformá-los. Está escrito: “Eu lhes darei um coração novo e porei em vocês um espírito novo. Tirarei de vocês o coração de pedra, desobed>iente, e lhes darei um coração bondoso, obediente. Porei o meu Espírito dentro de vocês e farei com que obedeçam às minhas leis e cumpram todos os mandamentos que lhes dei” (Ez 36.26,27).

E agora digamos juntos: Muito obrigado, SENHOR.

SUBSÍDIOS BÍBLICOS

1. Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra for pura e reta. (Pv 20.11)

2. O ornato dos mancebos é a sua força, e a beleza dos velhos as cãs. (Pv 20.29)

3. Eu vos escrevi, mancebos, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno. (1 Jo 2.14b)

4. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido. E que desde a tua meninice sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. (2 Tm 3.14,15)

5. A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração. E quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. (Cl 3.16,17)